quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Bibliotecas ao Redor do Mundo.




            Oii, tudo belezinha? Andei olhando uns sites de bibliotecas ao redor do mundo pois andei pensando e tive a curiosidade de como seriam e encontrei várias super interessantes. Algumas acabei por não entender nada em função da língua, mas outras eu pude ter acesso à materiais bem legais. Segue abaixo uma lista das que eu achei mais válidas de conhecer.

Biblioteca Pública de Nova York
Biblioteca Nacional do México
Biblioteca Nacional do Uruguai
Biblioteca Virtual Perseus - EUA
Biblioteca Gallica - França


E aqui uma para provar que eu não entendo nada de Polonês.
Biblioteka Norodowa



Valeu!


Alana Arrieche

Fontes: Google, Portal Anhanguera.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Tag - Conhecendo a Blogueira



Olá, pessoal!! Hoje é um dia muito importante pois estamos respondendo nossa primeira Tag. Fomos indicados pela Blogueira Luiza, do blog Santuário dos Livros. Muito obrigada de coração, espero que com a Tag vocês consigam me conhecer melhor assim como meu tipo literário. Amei!!





A tag consiste em:

  • Listar 11 fatos sobre mim.
  • Responder 11 perguntas do blog que me indicou.
  • Criar 11 perguntas.
  • Indicar blogs para respondê-las.



 11 fatos sobre mim
  1.   Meu livro favorito é "O Mundo de Sofia". Não tem livro que me encantou mais, pelo menos não até o momento.
  2.  Amo cantar.
  3. Amo dançar.
  4. Amo patinar e andar de bike.
  5. Tecnologia me encanta.
  6. Amo Macarrão.
  7. Termino os livros que começo, mesmo os mais chatos.
  8. Meus amigos são tudo pra mim
  9. Sou estudante de Direito.
  10. Amo livros.
  11. Amo viajar.
11 Perguntas fora do roteiro:

1.    O que você tem mais vontade de fazer na vida? Viajar sempre.
2.    Qual o seu autor preferido? Douglas Adams
3.   Se pudesse mudar algo no mundo, o que seria? Queria que as pessoas parassem de comer os animais, os respeitassem como iguais.
4.    Qual o seu estilo literário preferido? Literatura fantástica, terror, policial.
5.    Gosta/tem animais de estimação? Sim.
6.    O que mais te irrita da natureza humana? Falta de positividade.
7.    Qual doce mais gosta? Chocolate.
8.    Qual o motivo para você ter um blog literário? Expressar minhas ideias, comentar sobre os livros que eu leio e aprimorar minha escrita.
9.    Qual o seu cômodo preferido da casa? Meu quarto.
10.  Se descreva em uma única palavra: Sonhadora.
11.  Uma mania constrangedora: Não lembro de nenhuma.



Perguntas para blogs indicados:

1. Qual o motivo para você ter um blog literário?
2. Qual seu autor preferido?
3. Qual seu livro preferido?
4. Qual seu estilo literário preferido?
6. O que você faz no tempo livre?
7. Qual seu maior sonho?
8. Seu maior medo?
9. Programa de TV favorito?
10. Mania literária?
11. O ano que seu blog foi criado?




*E os indicados são: Magia Literária
                                Estante das Fadas
                        Canastra Literaria
                        Interruptedreamer
                        Coleção de Nuvens
                        Universo Sem Paginas
                                

Valeu pela atenção!! Estou louca para ver as respostas dos indicados, se responderem, assim que responderem, colem o link nos comentários.

Beijos!

Alana Arrieche





sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Hora aleatória

                                   E aí gurizada, tranquilo?!!
                                   Hoje inicia aqui no blog um espaço para debatermos assuntos diversos, a "Hora aleatória"! Esperamos que vocês gostem e participem!
                                   E o texto de hoje é esse aí embaixo, escrito por mim:



Minha meia culpa.

Em tempos de “7 x 1”, muito se discute sobre os problemas do futebol brasileiro. Certo de que mal gestão e corrupção, atrelado ao enaltecimento do físico em detrimento do técnico, foram decisivos para o maior vexame no nosso principal esporte. Mas será que nós, torcedores, não temos nenhuma culpa?
Desde sempre nossos administradores disso não se tratam. São presenças carismáticas quem lideram nosso país. O problema é que por trás da cara de bom moço, empilham-se escândalos. E no futebol não é diferente: em cada contratação, em cada jogo, em cada campanha publicitária, em cada indicação de técnico, em cada escalação, em cada decisão de árbitro parece existir influência motivada por dinheiro.
Por outro lado, há anos vemos sumirem nossos craques e tomarem seus lugares brutamontes que sabem trombar, mas não chutar; gigantes que alcançam alto a bola, mas não cabeceiam; velocistas que se perdem na hora de driblar e por aí vai.
A culpa desses personagens está bem delimitada; mas e a nossa?
Sim. Nós também somos culpados pelo atual estágio das coisas. Em menor grau, é verdade. Porém, está na hora de mudarmos esse quadro.
E a chave para tanto é simples: no mundo futebolístico de hoje, em que a venda impera, devemos entender de uma vez por todas que somos muito mais consumidores do que torcedores.
Como consumidores, não vamos até a loja em que compramos um produto estragado e iniciamos um embate físico com o atendente; simplesmente lançamos mão dos nossos direitos e pronto. Além disso, não adquirimos mais daquela loja. Pelo menos por um tempo.
Por isso, se seu time já não rende tanto assim, por que simplesmente você não para de assistir aos jogos? Por que ainda compra a camiseta? Por que ainda discute com a televisão ou com o vento (sim, no estádio, xingar o jogador é o mesmo que discutir com o vento)?
Um jogo sem que ninguém da torcida comparecesse ao estádio seria um recado de insatisfação muito efetivo. Assim como seria um mês sem venda de uniformes ou um ano sem a comercialização de “pay per view”.
Nossa culpa, então, reside justamente no fato de que nossa paixão supera nossa razão, de modo que não conseguimos entender que hoje somos consumidores antes de torcedores.
E, como consumidores, temos direito a um produto melhor. E esse aviso é transmitido com mais ênfase quando colocamos em prática aquele bom e velho brocardo: “no bolso é onde mais dói”.
Quem sabe se assim tivéssemos nos portado desde sempre não teríamos tido melhores “casas de shows”, melhores “atores” e melhores “espetáculos”? Pois temos muito bom material, mas parece que nunca esclarecemos que são eles quem têm de nos agradar e cativar – e não ao contrário.
Grande abraço! Era isso!