sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Hora aleatória

                                   E aí gurizada, tranquilo?!!
                                   Hoje inicia aqui no blog um espaço para debatermos assuntos diversos, a "Hora aleatória"! Esperamos que vocês gostem e participem!
                                   E o texto de hoje é esse aí embaixo, escrito por mim:



Minha meia culpa.

Em tempos de “7 x 1”, muito se discute sobre os problemas do futebol brasileiro. Certo de que mal gestão e corrupção, atrelado ao enaltecimento do físico em detrimento do técnico, foram decisivos para o maior vexame no nosso principal esporte. Mas será que nós, torcedores, não temos nenhuma culpa?
Desde sempre nossos administradores disso não se tratam. São presenças carismáticas quem lideram nosso país. O problema é que por trás da cara de bom moço, empilham-se escândalos. E no futebol não é diferente: em cada contratação, em cada jogo, em cada campanha publicitária, em cada indicação de técnico, em cada escalação, em cada decisão de árbitro parece existir influência motivada por dinheiro.
Por outro lado, há anos vemos sumirem nossos craques e tomarem seus lugares brutamontes que sabem trombar, mas não chutar; gigantes que alcançam alto a bola, mas não cabeceiam; velocistas que se perdem na hora de driblar e por aí vai.
A culpa desses personagens está bem delimitada; mas e a nossa?
Sim. Nós também somos culpados pelo atual estágio das coisas. Em menor grau, é verdade. Porém, está na hora de mudarmos esse quadro.
E a chave para tanto é simples: no mundo futebolístico de hoje, em que a venda impera, devemos entender de uma vez por todas que somos muito mais consumidores do que torcedores.
Como consumidores, não vamos até a loja em que compramos um produto estragado e iniciamos um embate físico com o atendente; simplesmente lançamos mão dos nossos direitos e pronto. Além disso, não adquirimos mais daquela loja. Pelo menos por um tempo.
Por isso, se seu time já não rende tanto assim, por que simplesmente você não para de assistir aos jogos? Por que ainda compra a camiseta? Por que ainda discute com a televisão ou com o vento (sim, no estádio, xingar o jogador é o mesmo que discutir com o vento)?
Um jogo sem que ninguém da torcida comparecesse ao estádio seria um recado de insatisfação muito efetivo. Assim como seria um mês sem venda de uniformes ou um ano sem a comercialização de “pay per view”.
Nossa culpa, então, reside justamente no fato de que nossa paixão supera nossa razão, de modo que não conseguimos entender que hoje somos consumidores antes de torcedores.
E, como consumidores, temos direito a um produto melhor. E esse aviso é transmitido com mais ênfase quando colocamos em prática aquele bom e velho brocardo: “no bolso é onde mais dói”.
Quem sabe se assim tivéssemos nos portado desde sempre não teríamos tido melhores “casas de shows”, melhores “atores” e melhores “espetáculos”? Pois temos muito bom material, mas parece que nunca esclarecemos que são eles quem têm de nos agradar e cativar – e não ao contrário.
Grande abraço! Era isso!

3 comentários:

  1. Pena que nem todos pensam assim, né? A maioria que sempre sai perdendo, infelizmente, mas bola pra frente né? :T
    Viu, sucesso infinito para o seu blog!!!
    Um beijo!
    Pâm - www.interruptedreamer.com

    ResponderExcluir
  2. Eu sou apaixonada por futebol, mas tem muito tempo que estou extremamente decepcionada com o futebol brasileiro (e com o Flamengo então, nem se fala). De melhor futebol do mundo, só restou a fama, porque há muito tempo essa não é a realidade. O nível do campeonato brasileiro e dos campeonatos estaduais estão baixíssimos e cada vez eu fico mais desestimulada. O futebol é um produto que as empresas não estão se preocupando nem um pouco em melhorar, até porque os torcedores costumam se contentar com muito pouco.
    As pessoas não entendem porque eu sempre falo mal do meu time quando ele está muito ruim (como agora) e não entro na onda do "estarei como você até o fim". Claro que eu continuo acompanhando, mas uma coisa é você torcer, outra coisa é você fechar os olhos para os problemas e mesmo nas piores fases continuar dizendo: meu time é o melhor e pronto. Acho que o apoio do torcedor estimula as jogadores, mas as críticas também precisam ser feitas ou não vamos sair do lugar nunca. Aliás, acho que as críticas são ainda mais importantes do que os elogios, porque são elas que fazem as coisas mudarem.
    Adorei o texto.
    Beijo

    http://canastraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi! Não sou muito fã de futebol, mas de 4 em 4 anos paro para assistir a alguns jogos (rsrs) Achei fantástica tua reflexão. Penso no mesmo sentido. Nós consumidores damos o rumo para as empresas, e todos os outros setores de nossa sociedade. E se assim fazemos, não temos muito a reclamar... Ou então como vc disse. Paremos de assistir, de comprar, de... E, tenho certeza, que as coisas irão melhorar!

    Lindo teu blog!
    Beijinhos!

    Pensamentos valem mais que ouro

    ResponderExcluir